terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Biscoitos de doce de gila

Ingredientes:

*  1 chávena de doce de gila
* 250 gr farinha
* 125 gr açúcar
* 70 gr manteiga
* raspa de limão ou laranja
* 1 ovo

Mistura-se a farinha com o açúcar, junta-se o ovo, a manteiga derretida e a raspa de limão e mexe-se bem. Deixa-se repousar a massa durante 30 minutos. Depois estende-se a massa (eu deixei-a grossa de mais na minha opinião) e corta-se em pequenos pedaços, barra-se com o doce e enrola-se da forma que quiserem. E por fim é só levar ao forno a 200 º, durante 20 minutos.


 O doce de gila foi feito por mim também, deu-me uma trabalheira desgraçada pois a abóbora de gila tem uma quantidade de sementes que nunca mais acaba. Já é a segunda vez que o faço e assim como da primeira vez quando terminei de o fazer pensei: doce de gila feito aqui em casa nunca mais!!






quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Gratidão


* Sinto-me grata pelo sítio onde vivo e partilho com aqueles que mais amo.
* Por espalhar o espírito natalício pela minha casa e sentir-me contagiada por ele.
* Deixar-me invadir pela minha inspiração e dar asas à minha criatividade.
* Estar no meu atelier sem dar pelo passar do tempo.
* Cozinhar pelo prazer de inventar novas receitas.
* Ver um bom filme, ou ler um livro que me absorva.
* Ter um trabalho que gosto e que me dá sustento.
* Viver perto do mar.
* Praticar Yoga.
* Ter saúde.
* Ter uma família unida e maravilhosa.
* Pelo amor da pessoa que vive comigo e pelo amor da minha família, pois é este amor que me faz sentir tão grata por estar viva.

Estaria a mentir se dissesse que todos os meus dias são felizes. Estar triste e ter problemas faz parte.... Aceitar, e olhar em frente é o primeiro passo. Depois vem a gratidão. Sentimento que faz parte dos meus dias, tanto nas coisas boas como nas coisas más. Pois acredito que podemos sempre aprender alguma coisa tanto no bom como no mau da vida. 
O importante é agradecer, perder algum do nosso precioso tempo e pensar nas coisas boas que nos rodeiam. Na verdade se o fizermos saímos a ganhar. É tão simples. Faz-nos sentir muito melhor, posso vos garantir. Experimentem que não se vão arrepender.





 
 

With love,

Catarina.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Nem antes, nem depois, apenas quando tem de ser.

E isto porque é assim mesmo que penso. E talvez por isso o poema de Paulo Coelho que acabei de ler me faça tanto sentido. Axo que é tão bonito que o vou partilhar aqui. E aproveito para o acompanhar com esta fotografia com horquídeas do meu quintal. Na minha opinião também tão bonitas.





























Tempo Certo

De uma coisa podemos ter certeza:
de nada adianta querer apressar as coisas;
tudo vem ao seu tempo,
dentro do prazo que lhe foi previsto.
Mas a natureza humana não é muito paciente.
Temos pressa em tudo e aí acontecem
os atropelos do destino,
aquela situação que você mesmo provoca,
por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo.
Mas alguém poderia dizer:
Qual é esse tempo certo?

Bom, basta observar os sinais.
Quando alguma coisa está para acontecer
ou chegar até sua vida,
pequenas manifestações do cotidiano
enviarão sinais indicando o caminho certo.
Pode ser a palavra de um amigo,
um texto lido, uma observação qualquer.
Mas, com certeza, o sincronismo se encarregará
de colocar você no lugar certo,
na hora certa, no momento certo,
diante da situação ou da pessoa certa.

Basta você acreditar que nada acontece por acaso.
Talvez seja por isso que você esteja
agora lendo estas linhas.
Tente observar melhor o que está a sua volta.
Com certeza alguns desses sinais
já estão por perto e você nem os notou ainda.
Lembre-se, que o universo sempre
conspira a seu favor quando você possui um
objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento.

Paulo Coelho

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Handmade

Finalmente a minha inspiração voltou. Tardou mas não me falhou. E com ela muitas ideias surgiram. E nada melhor que as pôr em prática. Entre outras coisas, que depois vos irei mostrar, fiz estas pulseiras. Já há muito tempo que não me dava para fazer bijutaria. A última vez que fiz, foi esta pulseira, para mim. Aproveitei para usar missangas antigas que tinha cá em casa, assim reciclei, dando utilidade a coisas que estavam há que tempos fechadas em frascos só a ocupar espaço. E daqui saíram estas meninas, que não minha opinião até estão engraçadas. Algumas vão morar na minha gaveta da bijutaria, outras para já, irão morar de baixo da minha árvore de Natal.
O espírito de Natal chegou, e veio para ficar.








segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Dezembro chegou!

Nem acredito que já estamos no último mês do ano. Como o tempo voou.... E depois de um Novembro bem cinzento, nada melhor que entrar em Dezembro iluminados pelo sol. Não podia ter sido melhor.
A decoração de Natal foi feita hoje, como já é costume neste dia. Fazer a árvore de Natal trás-me memórias de uma infância feliz, o que deixa com um enorme sorriso na cara e uma alegria imensa no meu coração. Agora resta-me pedir que esta energia se espalhe em mim e nos meus dias. Afinal estamos a entrar no mês da minha época festiva preferida. O que significa que dentro de dias a família vai estar completa e o verbo amar vai predominar. Família , o melhor do meu mundo.


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Grata pelas pequenas coisas que me rodeiam

Estamos a pouco mais de um mês do Natal e eu ainda não fui contagiada pelo espírito. Nem parecem coisas minhas, até porque se há época festiva que eu adoro é o Natal. 
Mas a verdade é que o Natal começa no coração, e o meu tem andado atribulado. Não é novidade que sou uma pessoa sensível e que sou demasiado emotiva.Toda eu sou sensações e emoções. Talvez até dê demasiada importância às coisas (se bem que as coisas só têm a importância que nós lhe damos). Não tenciono mudar, acreditem que já tentei e não resultou, logo há que conviver e aceitar aquela que é a minha essência. Não sou de me queixar, quando algo não está bem, faço o que posso para ultrapassar. Nem sempre as coisas estão ao nosso alcance, e claro, isso torna-nos mais frágeis. A solução passa por dar uso aos sentidos... Nada como apreciar as pequenas coisas que nos rodeiam, ver a beleza nessas pequenas coisas, respirar fundo, e acreditar que as coisas vão mudar. Nem antes, nem depois, apenas quando tiver de ser.  
Resumindo este post meio lamechas, há que parar, respirar, amar e agradecer, tudo o resto vem por acréscimo.