21.9.17

Adeus Verão!




 


 





Está na hora de dizer adeus a mais um verão e agradecer por tudo o que ele me trouxe. 

Pelo segundo ano seguido que as minhas últimas férias foram gozadas no mês de Setembro. Bem sei que os dias são mais curtos, mas de maneira nenhuma que isto me incomoda.  Até porque se anoitece mais rápido significa que amanhece mais cedo. Logo é perfeito para deitar cedo e cedo erguer. E isto foi literalmente o que fiz. Levantei-me todos os dias super cedo, até porque as manhãs para mim têm uma energia incrível. Logo há que aproveitar essa energia matinal. Afinal devemos sempre usar e abusar do que nos faz bem. Sem falar que neste mês, chegar à praia cedo significa ter a praia quase toda só para mim e para o meu mais que tudo. O que é um luxo!

Assim sendo houve tempo para praticar Yoga e saudar todos os dias o sol, para caminhar à beira mar, tomar muitas banhocas, ler (muito), escrever, comer deliciosas e nutritivas refeições (e comer também alguns disparates), dormir umas sestas, apanhar sol, passear, rir (muito), namorar e relaxar! Que maravilha! Com toda a certeza que isto sim é sinónimo de boa vida! Para mim, claro!

Mas como tudo na vida tem o seu tempo, está na altura da despedida, de arrumar as roupas mais frescas, de fazer umas arrumações na casa (e na cabeça), de traçar novas metas, de regressar às rotinas e deixar que as boas memórias da estação que está a chegar ao fim, me aqueçam o coração para os dias mais frios que estão a chegar!

With love, 

Catarina.


2.9.17

Bem vindo sejas Setembro.


E é assim de braços abertos que recebo este novo mês, com o coração cheio de esperança de que seja um mês repleto de alegrias, saúde, descobertas, aprendizagens e muito amor.

Com o chegar deste novo mês chegou mais uma edição da inspiradora revista Master of Simplicity.
Aonde mais uma vez tenho um artigo. O qual adorei fazer, com o tema "a vida ao nosso redor". Aonde me foco em um dos meus lemas de vida que é sentir alegria e inspiração nas pequenas coisas da vida.
Se tiverem oportunidade não deixem de ir espreitar o meu artigo e claro, toda a revista, que mais uma vez está repleta de coisas boas!
Aproveito para vos contar que a convite da minha querida amiga Fátima Teixeira (autora de revista), este não foi o último artigo que fiz,  aceitei o desafio dela e  vou continuar por lá com a minha rubrica" Criar momentos" sempre direccionados ao tema de cada revista.
Sinto-me mesmo muito grata por esta oportunidade e pela confiança que a Fátima me depositou. Isto é só mais uma prova que as coisas boas acontecem, quando e aonde menos esperamos. 



E é assim com o coração cheio de gratidão que vos deixo, com  o desejo de que todos tenham um excelente mês. Quanto a mim, vou até ali dizer adeus ao verão e ser feliz!


With love,

Catarina.

24.8.17

Um livro por mês


 


Só eu sei o bem que me fez!
Fazendo o balanço no que diz respeito a leituras, de meio ano que já passou, concluo que podia ter lido mais, mas não teria sido a mesma coisa. 
Estes foram os livros que já li este ano, todo o tempo que lhes dediquei foi muito bem empregue, e todos eles ficaram no meu coração.
A leitura tem um efeito maravilhoso em mim, daí gostar tanto de o fazer. Ao fazê-lo sinto que estou a investir em mim, e isso faz-me bem, é certo.
Confesso que embora goste de ler um bom romance, não resisto a este tipo de livros, que me deixam a pensar, que me fazem reflectir, que me inspiram a mudar, que me levam a pôr em prática bons hábitos, que me fazem tratar do corpo e da alma, e que ainda me fazem ter a certeza que escolhi o lema de vida que melhor me assenta: encontrar alegria e inspiração nas pequenas coisas da vida e agradecer por cada uma delas, sempre!


With love,

Catarina.

8.8.17

O contacto com a Natureza.






Tenho muito o hábito de falar na importância das pequenas coisas que nos rodeiam e que nos acontecem. Pois para mim é através delas que muitas vezes nos inspiramos e somos felizes.

A felicidade acontece assim,  de forma simples,  sem grandes planos, sem avisar e ao mais simples acaso. Pelo menos a meu ver.

A verdade é que cada vez mais valorizo e agradeço pelas pequenas coisas, e é incrível a dimensão que elas podem atingir.

Com o passar do tempo e com as experiências que vou vivendo, cada vez mais  começo a perceber o que realmente me faz falta, o que me faz feliz, assim como também o que não preciso e o que me afecta.

E uma coisa é certa, a natureza faz-me bem. Sou feliz rodeada de verde e das mais belas cores com que ela nos presenteia.
E isso reflecte-se tanto em mim, nas minhas escolhas e na minha casa ( dentro e fora dela)! E eu gosto tanto! 


With love,

Catarina.

4.8.17

Escuta o teu corpo.



"De maneira a atingires a verdadeira saúde e beleza, tu precisas primeiro de identificar quais os factores que poderão estar a desencadear desequilíbrios no teu corpo, e removê-los, assim como também a reconectar-te com a tua sabedoria.
Em seguida, necessitas de aprender o que é que, no teu dia-a-dia, pode desenvolver em ti um estado de harmonia.
Existem 5 principais pilares capazes de aumentar e fortalecer a tua energia vital. São eles: consumir alimentos naturais, desintoxicação, sono e descanso, exercício físico e aprender a lidar com pensamentos e emoções negativas."

"Nós não controlamos os acontecimentos da vida; não nos foi dado esse poder. O que nos foi dado foi o poder de escolher, como queremos reagir a essas situações."


Estas são só algumas das inspiradoras palavras do livro "Escuta o teu corpo",  da Francisca Guimarães (autora do blogue Miss Kale). 
Só o nome do livro já é bastante apelativo, e já diz tanto. Mas depois o conteúdo vai muito mais além, é tão precioso. O testemunho que nos dá, as suas palavras tão fortes, que nos tocam, que nos levam a reflectir sobre a importância de cuidar de nós, os exercícios que nos ajudam a fazer as pazes connosco próprios, as receitas maravilhosas para nutrir o nosso corpo, as lindas e inspiradoras fotografias. Enfim todo o conjunto, na minha opinião, está muito bem conseguido.

Uma verdadeira fonte de inspiração que nos mostra claramente que não basta cuidar do corpo, é necessário cuidar da mente também, e estabelecer uma relação de harmonia entre ambos.

Li-o em dois tempos, devorei cada palavra, absorvi cada informação (cada uma mais preciosa que outra), refleti tanto sobre o que li, senti-me inspirada, fiquei com vontade de pôr em prática cada dica dada pela Francisca e passei a admirá-la ainda mais. É incrível toda  a partilha que ela faz.
Com toda a certeza este livro é daqueles que vale a pena comprar, ler, reler e tê-lo sempre por perto para consultar a qualquer momento.
Aconselho-o vivamente.


With love,

Catarina.

1.8.17

As cores dos dias!


É bem mais fácil de falar de dias bonitos, alegres, cheios de cor e felizes.  Mas todos sabemos que nem só de dias assim a vida se vive.
Há dias feios, tristes, cinzentos, em que nos sentimos infelizes. Confesso que não me sinto tão há vontade de falar neles. Custa-me fazê-lo, custa-me mesmo muito.
Nesses dias o que costumo fazer é recolher-me,  estar eu e os meus botões, quieta e calada no meu canto. Mesmo sabendo a importância e o bem que me  faz deitar cá para fora as palavras que me sufocam.

Não sou rapariga de queixar, sou muito mais de agradecer, quem me lê ou quem me conhece sabe disso.  
Mas na verdade, tenho tido alguma dificuldade em  lidar  com dias cinzentos. Admito aqui essa minha fraqueza. A minha dificuldade em lidar com aquilo que dói. Não que eu seja sempre assim. Não sou. E embora não seja de baixar os braços, estou numa fase em que me sinto mais frágil.
Ainda assim continuo com um dos meus lemas de sempre e tento ao máximo para não desviar o foco desse lema: se cair levanto-me, se  por acaso voltar a cair volto a levantar-me, e sigo em frente!

Se Junho foi um mês alegre, cheio de cores vivas e intensas e repleto de alegrias, já Julho presenteou-me com uma palete de cores bem mais escuras. E com os dias cinzentos veio a energia  (ou falta dela)  deprimente deles. Essa "má" energia trouxe-me dúvidas, medos, lágrimas, momentos de reflexão, isolamento e claro lições!
Precisei de estar ausente daqui, precisei de me focar na realidade dos meus dias, de conjugar o verbo parar e logo de seguida o verbo agir. Afinal o que não nos derruba torna-nos mais fortes.

Encerrei o mês de Julho  a agradecer por tudo o que ele me trouxe, mesmo que isso englobe coisas menos boas e dias tristes. Com dor aprendemos sempre, vimos quem temos ao nosso lado, sentimos o seu amor e apoio incondicional, paramos para pensar, tomamos resoluções, temos a oportunidade de direcionar a nossa mente para o que de bom essa dor nos pode trazer, e tudo isto é tão positivo. Não há como não agradecer.

Há que lembrar e acreditar que o sol volta sempre. E  com ele a luz e as cores perfeitas para os nossos dias.


With love,

Catarina.

5.7.17

Cuidar de mim



Este é o tema da 4ª edição da Master of Simplicity Magazine que saiu agora dia 1 de Julho.
Já vos falei aqui várias vezes desta revista que aborda temas como minimalismo, simplicidade e vida saudável, não só porque sou da opinião que esta é uma revista maravilhosa e super inspiradora mas também porque acho mesmo que o trabalho da minha querida amiga Fátima Teixeira (autora) é tão bom, que merece mesmo ser divulgado.

Como já partilhei aqui, escrevi um artigo para a edição de Março/Abril, outro na edição de Maio/Junho e é com enorme gratidão que partilho aqui convosco que também tenho um artigo nesta nova edição. 
Sendo este diferente, pois não só escrevi algumas coisas como também tive direito a umas fotografias da minha autoria que abordam o tema do artigo. E o tema do mesmo é criar momentos.

Sinto-me muito lisonjeada e muito grata por estar a colaborar neste protejo que eu tanto admiro, trabalhando com o total apoio da Fátima, pessoa por quem eu tenho um enorme carinho e amizade.
Se tiverem oportunidade não deixem de ler esta edição com este tema tão especial, CUIDAR DE MIM, inspirando-nos a cuidar do nosso corpo, mente e espírito. Algo que todos nós temos o direito e o dever de o fazer. E claro, seria um prazer para mim receber as vossas críticas acerca do meu artigo.



 

Deixo-vos com a pré-visualização gratuita da revista aqui, mas não deixem de a ler na íntegra.

With love,

Catarina.